Como ajudar o seu filho com o cyberbullying

  • Imprimir

cyberbullyingNomes dolorosos. Assédio repetido. Extremo constrangimento. Como adultos, nós aprendemos a reconhecer os sinais de bullying mas, quando se trata de cyberbullying, os pais precisam estar mais vigilantes. A disponibilidade generalizada da web e dos telemóveis têm criado um ambiente rico para cyberbullying (definido como a utilização de meios digitais para repetidamente perseguir outra pessoa). Muitas vezes isso acontece sem nenhum conhecimento dos funcionários da escola e/ou dos pais.

Embora seja difícil presenciar o seu filho a tentar lidar com o assédio moral, eles não têm que passar por isso sozinhos. Você pode oferecer apoio e ajudar o seu filho nesta difícil situação, usando uma variedade de estratégias.

Se suspeita que o seu filho pode ter sido vítima de cyberbullying:

  • As crianças devem ser ensinadas a usar instruções assertivas, como "Pare de me provocar!" e "Pare!". Declarações agressivas para se vingarem, muitas vezes pioram as coisas. Ensine ao seu filho a diferença entre respostas assertivas e agressivas.
  • Não puna o seu filho/a se ele/ela é vítima. Eliminar o acesso à Internet não só não resolverá o problema, como a criança pode sentir que está a ser punida pelo cyberbullying. Assegurar à criança que não foi ela que causou o problema, para evitar problemas de depressão e baixa estima.
  • É imperativo que você, pai e mãe, não deixe de reagir. Trabalhe em conjunto com o seu filho para descobrir uma solução.
  • Instrua o seu filho para ignorar as provocações que é apenas. Se não conseguirem uma reação, geralmente os agressores vão parar.
  • Identifique o agressor através dos endereços de e-mail, páginas da web ou números de telemóvel. Se isso não funcionar, às vezes você pode identificar um cyberbully através de discretas conversas com outros adultos do mesmo meio (da escola, por exemplo). Mesmo que eles cometam o bullying online, às vezes os bullies (os "mauzões") divulgam offline quem são os outros.
  • Salvar a evidência-fotos, e-mails, mensagens, textos, etc., nomeadamente para constituir prova.
  • Talvez precise recorrer à ajuda das direções escolares para remediar a situação.
  • Ameaças de violência, extorsão, crimes de ódio ou exploração sexual deve ser comunicado imediatamente à autoridade judicial para aplicação da lei.
  • Se o bullying piora ou outras opções não funcionam, talvez precise entrar em contato com um advogado. A pior das hipóteses é que os pais do intimidador podem ser processados juridicamente por coisas como difamação, imposição intencional de sofrimento emocional e invasão de privacidade.

Use a sua intuição e experiência para descobrir quando precisa de intervir. Uma provocação de um brincalhão, ou um argumento de utilização única através de e-mail, não é assédio moral. Mas quando a humilhação e constrangimento são usados repetidamente contra o seu filho, deve intervir de imediato e trabalhar com o seu filho e sua escola para criar uma resolução rápida e segura.

Postado por Tim Woda, 31 de outubro de 2012, em: http://info.uknowkids.com/blog/bid/239260/How-to-help-your-child-with-cyberbullying

[Tradução de FERSAP]